Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Outro Sentido

Outro Sentido

Gente com nome e ruas com nome de gente.

A rua onde vivo tem nome de varina, diz lá mesmo isso - Fulana de tal e, entre parêntesis, "varina".

Gosto tanto do nome da minha rua que sempre que me perguntam a morada, faço questão de salientar o ofício da senhora inscrito no marco de azulejo que assinala o início da estrada - Varina -, não é Presidente da República, da Junta ou do clube da bola, é mulher de trabalho que eu imagino arisca, brincalhona, sem papas na língua, uma saia rodada e um pregão rasgado. 

Quando eu era miúda em S. João do Estoril, havia uma outra Senhora que vendia peixe numa carrinha com um balcão de madeira e uma janela que se abria à freguesia; estacionava à entrada da praceta e atendia aí as clientes que já conhecia pelo nome. Não sei se esta inspirou nome de rua, mas lembro-me de a ver a escamar peixe com vigor, das lâminas prateadas a saltarem por todos os lados e de trazer de lá pescadinhas para serem fritas com rabo na boca e arroz de tomate - há que tempos que não como pescadinhas com rabo na boca, e se calhar, quando comia, não eram vendidas pela peixeira da carrinha, mas a memória é um bicho intrincado e caprichoso, lembra-se do que consegue e constrói o que lhe falha, numa amálgama indistinta, meio verdade, meio invenção.

Nesse tempo, o gás era entregue à porta por um gigante de sorriso afável que carregava as bilhas escadas acima e, para além dele, apareciam mensalmente o Senhor do Círculo de Leitores e o dos Bombeiros Voluntários a cobrar as quotas. 

Os sapatos arranjavam-se no Senhor António, um velhinho curvado que exercia o ofício numa toca escura de porta aberta para a marginal, forrada de sapatos e a cheirar a graxa e cabedal, a mercearia era do Sr. Mendes, a papelaria era do Sr. Bolota, o gás era encomendado no Sr. Pinheiro e muitos anos antes, havia ainda o Sr. Manuel que nos entregava o jornal em casa (arremessado para a varanda?).

É que o comércio era muito isto, tinha nome e cara de gente.

Já pareço as velhotas do anúncio, no meu tempo ...

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

The New Yorker

Frida Kahlo

Small things

Wise Words

canto de leitura

Your house

Flower Power

Odeio o acordo ortográfico

License

Licença Creative Commons
obra licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.