Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Outro Sentido

Outro Sentido

Da revolução

No final da sua crónica semanal na Revista Actual e logo abaixo do endereço de email, lê-se: "Pedro Mexia escreve de acordo com a antiga ortografia".

Seja por exigência editorial ou por ostensiva tomada de posição, ainda há quem assuma o "Não ao aborto ortográfico", oferecendo crónicas de escrita informada e curiosa, recheada de acentos e consoantes mudas. À "antiga"!

Bem haja.

Dos parvos não reza a história

«Há duas regras de ouro para todo o cronista que se estreia a escrever, seja na corticite da junta ou num semanário de referência: a primeira é não dissecar o processo de escrita da sua própria crónica inaugural e a segunda, circunscrita aos dias que correm, é não se debruçar sobre o fenómeno dos Deolinda. Só neste parágrafo transgredi uma. E preparo-me para fintar a outra. Um jornal diário chamou "geração parva" à minha geração. Como estes epítetos são subgeracionais, concluí que ficarei na história como geração outrora rasca e agora parva. A música de intervenção possível para a malta nascida nos 70 e 80 não intervém, campadece-se.

"Parva que sou", dizem os Deolinda. A autocomiseração é uma arma. Contra mim falo. Sou a manhã seguinte de uma série de fogachos que a Humanidade teve com a liberdade - e agora não sei se lhe peça o número de telefone ou me feche em casa a chorar, incapaz de assumir um compromisso sério. Normalmente escolho a segunda hipótese, que é o mesmo que não escolher.

Ando a ler "Drinking at the moovies", uma banda desenhada autobirgráfica da twentysomething norte-americana Julia Wertz. Diz a autora a certa altura: "Estou contente por viver numa sociedade que espera que eu seja uma atrofiada. Assim, nunca terei de me comportar como uma adulta". E remata o desabafo pedindo a um barman "mais uma bebida ... ou cinco". Quem nos financia esta orgulhosa neura é a geração dos soixante-huitards que, não só tem reformas, como honras de francofonia para uma entrada mais elegante na Larousse desta vida».

 

Ana Markl,na Revista Actual, Jornal Expresso de 26/02/2011.

Consultório sentimental feito por quem não acerta uma na vida!

Ao almoço (isto de almoçar sozinha, pode colocar-nos nestas situações) dou por mim a degustar um belíssimo arroz de pato (bolas, estava mesmo bom) e a revirar os olhos à conversa da mesa vizinha que é impossível ignorar já que apenas três palmos separam as duas toalhas de xadrez.

 

A dada altura só me apetece abeirar-me das senhoras e segredar-lhes a célebre frase: "He´s just not that into you".

 

Às vezes sou mesmo obrigada a calar o gajo que em mim habita e que, como diria a minha amiga Diana, considera certo discurso à luz da definição maravilhosa de "conversa de marcha atrás"!

Exemplo: "Vai ter com ele, diz-lhe que queres falar com ele, apenas como amigo, que ele é uma pessoa importante na tua vida e que por isso gostarias de partilhar um sucesso teu e depois logo vês como será a reacção. Afinal de contas já foram próximos e se te sentes estruturada para o encarar não tens nada a perder" ...  Eh pá, TENS! Perdes uma brilhante oportunidade de estar calada e não ferires a tua - provavelmente já molestada - dignidade! HE´S JUST NOT THAT INTO YOOOUUUU!!!!!

 

Em poucas palavras: Tu não o queres como amigo, ele não te quer como amiga, por isso, das duas uma: ou querem os dois o mesmo (e se assim fosse, a constatação do óbvio não requereria qualquer espécie de conversa de marcha atrás nem esse enervante roer de unhas que mais parece que não comeste o mesmo arroz de pato que eu) ou mais vale cortar o mal pela raiz e ir ali até ao Guincho aproveitar este antecipado dia de Primavera que, com esse palminho de cara e essas botas HUG tão cool, ainda tropeças num surfista giraço em relação ao qual não haverá qualquer espécie de caminho a sondar.

Boa?

Isso.

 

Bom Dia

É uma semana de desafios em que, a par de muito trabalho, impõe-se inverter a maré e mostrar resultados.

Às vezes é preciso um esforço suplementar e uma coreografia diferente, mudar o jogo e procurar novos aliados para fazer face a obstáculos, outros caminhos para o mesmo destino.

Sai uma pirueta em pontas para agarrar a atenção ...

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

The New Yorker

Frida Kahlo

Small things

Wise Words

canto de leitura

Your house

Flower Power

Odeio o acordo ortográfico

License

Licença Creative Commons
obra licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.