Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Outro Sentido

Outro Sentido

Se não bastasse esta voz ao meu ouvido ...

 

Don't matter if the road is long
Don't matter if it's steep
Don't matter if the moon is gone
And the darkness is complete
Don't matter if we lose our way
It's written that we'll meet
At least, that's what I heard you say
A thousand kisses deep

I loved you when you opened
Like a lily to the heat
You see, I'm just another snowman
Standing in the rain and sleet
Who loved you with his frozen love
His second hand physique
With all he is and all he was
A thousand kisses deep

I know you had to lie to me
I know you had to cheat
You learned it on your father's knee
And at your mother's feet
But did you have to fight your way
Across the burning street
When all our vital interests lay
A thousand kisses deep

I'm turning tricks
I'm getting fixed
I'm back on boogie street
I'd like to quit the business
But I'm in it, so to speak
The thought of you is peaceful
And the file on you complete
Except what I forgot to do
A thousand kisses deep

Don't matter if you're rich and strong
Don't matter if you're weak
Don't matter if you write a song
The nightingales repeat
Don't matter if it's nine to five
Or timeless and unique
You ditch your life to stay alive
A thousand kisses deep

The ponies run
The girls are young
The odds are there to beat
You win a while, and then it's done
Your little winning streak
And summon now to deal with your invincible defeat
You live your life as if it's real
A thousand kisses deep

I hear their voices in the wine
That sometimes did me seek
The band is playing Auld Lang Syne
But the heart will not retreat
There's no forsaking what you love
No existential leap
As witnessed here in time and blood
A thousand kisses deep

A outra

Esgueirou-se pela janela e correu atrás de uma outra que lhe meneou os quadris e bateu as pestanas. Eu bem a vi, toda cor-de-rosa a fazer-se de felina fácil e a exibir a elegância do andar.

O pobre do bicho perdeu a compostura, arregalou os bigodes e saltou da janela, numa velocidade furiosa pelo alcatrão fora. 

Perdeu-se, certamente, pelos jardins das redondezas em arbustos frondosos e cúmplices.

Ainda não voltou.

"Ah e tal, vou só ali conhecer a rua de cima".

Ingrato!

Há dias em que eu não tenho a menor paciência para me aturar

Acordei espontâneamente às 7:00 mas afinal eram 6:00.

Tomei o pequeno-almoço na cama às 7:30 (que afinal eram 6:30), li meia hora e voltei a adormecer às 8:00 (que afinal eram 7:00).

Acordei às 11:00 (afinal eram 10:00 só que eu ainda não sabia).

Vesti-me de ténis, calças de ginástica e top e corri para o Gym para apanhar a aula de Pilates das 12:00 mas afinal eram 11:00 (foi preciso chegar aqui...).

Fiz uma hora de cardio e aparelhos e, finalmente, a aula de pilates que acabou às 13:00.

Às 14:00 almocei feijoada à brasileira e mousse de chocolate.

Neste momento, todo o meu organismo resmunga com a desorganização horária e a falta de juízo alimentar.

Valha-me a belíssima tarde em família!

JR e as suas heroínas

Tem 26 anos e mais do que um activista é um "artivista", um fotógrafo que percorre o mundo a fotografar mulheres anónimas que depois expõe em formato XXL na única galeria capaz de sustentar imagens de tão enorme estatura - a rua, as cidades e as suas estruturas urbanas.

A fotografia torna-se uma forma de expressão simultâneamente  artística, activista e muito poética, capaz de chegar a todos e proporcionando as mais díspares interpretações até desaperecer sob acção do homem ou do tempo.

Depois de fotografar e expor lado-a-lado Israelitas e palestinianos de ambos os lados do muro que os separa, JR parte para o Brasil, Africa, India e Camboja onde fotografa mulheres que, estando sujeitas à violência e à miséria, são, não obstante, pilares extraordinários das respectivas comunidades. A intenção foi dar cara a estas "heroínas anónimas" mas substraindo-lhes a não desejada imagem de eternas vítimas e fotografando assim os seus olhares intensos, o riso genuíno, a sua alegria, a sua dignidade.

Durante o Mês de Outubro, JR marcará presença nas pontes e edifícios de Paris.

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

The New Yorker

Frida Kahlo

Small things

Wise Words

canto de leitura

Your house

Flower Power

Odeio o acordo ortográfico

License

Licença Creative Commons
obra licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.